segunda-feira, 26 de setembro de 2016

SOFRIMENTO E GRATIDÃO



            Aprender a estar contente em toda e qualquer situação é uma lição que aprendemos a duras penas. Não é algo que vem na base da força de vontade ou do pensamento positivo, mas é, acima de tudo, fruto da ação sobrenatural do Espírito de Deus em nosso coração, fazendo-nos depositar plena confiança no Senhor e em seu cuidado providencial.
            Enxergar com gratidão é o caminho para que nossos olhos não se detenham nas coisas que são visíveis, mas nas invisíveis. Quando somos gratos a Deus por tudo – digo, tudo mesmo – percebemos seu amparo, mesmo em meio ao sofrimento atroz. Essa é a conclusão do apóstolo Paulo, ao escrever aos Coríntios, veja:
Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.
2 Coríntios 4:16-18
            Quando andamos no Espírito e somos por ele guiados em nosso coração, somos, igualmente, convencidos de que toda e qualquer tribulação é leve demais se comparada ao eterno peso de glória reservado para nós. Nossos olhos se abrem para algo além do sofrimento. Não nos limitamos às dores, angústias, frustrações, perseguições, não! Contemplamos o eterno e mui excelente peso de glória, produzido por nossas aflições. Contemplamos o porvir, o fim da jornada, a completude da corrida, o prêmio da soberana vocação.
            O efeito dessa esperança é poderoso demais para nossas almas. Afinal, nossa vida passa a ser moldada pela paciência e pela gratidão. Enxergamos, mesmo nas dores mais intensas, a bondosa mão de Deus: providência. Paulo usa palavras belíssimas para descrever esse efeito:
Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;
            Somos ensinados, portanto, a não mais enxergamos nossas tribulações sob o mesmo prisma. Somos atribulados, mas a angústia não encontra morada em nosso coração. Tantas vezes ficamos perplexos diante dos enfrentamentos e da devassidão do mundo, mas nunca desanimados: caminhamos esperançosos no agir de Deus. Somos perseguidos, e às vezes de maneira dolorosa, mas não nos sentimos jamais desamparados: Ele sempre está conosco. O abatimento também pode nos envolver, mas, querido irmão, certo é que nunca seremos destruídos.
            Que aprendamos a dar graças em tudo, essa é a vontade de Deus para nós. Entretanto, isso envolve sermos moldado pelo Espírito no íntimo, por meio da oração, da meditação na Palavra e da esperança nas promessas de Deus, para que a esperança seja como uma âncora para nossas almas.
Damos graças, porque o nosso DEUS tudo governa. Ele está no controle. Louve-o!!!